In order to give you a better service Airbus uses cookies. By continuing to browse the site you are agreeing to our use of cookies I agree

Search
Newsroom
Search
Newsroom
26 July 2006
Company

EADS apresenta sólida performance no semestre em mercados crescentes

Amsterdam

  • Faturamento aumentou para € 19.0 bilhões (€ 16.0 bilhões em 2005)
  • EBIT* cresceu para € 1.6 bilhões (€ 1.5 bilhões em 2005)
  • Airbus espera bater recorde e entregar 430 aeronaves em 2006
  • Quebra de paradigma no mercado de defesa dos Estados Unidos
  • Nova administração nomeada para enfrentar desafios
  • Previsão para o balanço do ano pode ser afetada por causas isoladas

Todos os comunicados de imprensa da EADS você encontrará no site www.eads.com, nos idiomas inglês, francês e espanhol.

A EADS (Identificador nas bolsas de valores: EADS anunciou resultados sólidos no primeiro semestre de 2006, apesar das dificuldades associadas com o cronograma de entrega do A380, a apresentação da nova família de aeronaves A350 XWB e a efetivação de mudanças na administração principal do Grupo. De janeiro a junho de 2006 a companhia se beneficiou do desenvolvimento positivo seus mercados em ascensão e aumentou o faturamento de suas Divisões em 18%, para € 19.0 bilhões (resultado no mesmo período em 2005: € 16.0 bilhões) e atingiu EBIT* (lucros antes de juros, impostos e amortizações) de € 1.6 bilhões, o que significa melhora de 6% (resultado no mesmo período em 2005: € 1.5 bilhões).

A estratégia de crescimento do Grupo nos EUA foi apoiada na recente decisão do Exército dos EUA de encomendar um lote de até 322 helicópteros UH-145. Isso significa uma verdadeira quebra de paradigma por ser o primeiro contrato da EADS no mercado de defesa desse país. Graças ao seu histórico comercial exemplar a Airbus espera entregar 430 aeronaves até o final de 2006.

O aumento do faturamento da EADS para € 19.0 bilhões (resultado no mesmo período em 2005: € 16.0 bilhões) foi obtido através de todas as divisões, em particular Airbus, Aeronaves de Transporte Militar e Eurocopter. A contribuição da Airbus resultou principalmente da maior entrega de aeronaves no primeiro semestre, que registrou um novo recorde de 219 unidades (resultado no mesmo período em 2005: 189). O crescimento do faturamento da Divisão Aeronaves de Transporte Militar foi suportado pelo reconhecimento do programa A400M, enquanto a Eurocopter se beneficiou do aquecimento de mercado para aumentar seu volume de vendas. O faturamento combinado dos negócios de defesa da EADS totalizou € 4.1 bilhões (resultado no mesmo período em 2005: € 3.1 bilhões). Tal qual em anos anteriores as contribuições de produtos de topo e base de gama nas áreas de defesa, helicópteros e negócios espaciais são muito mais fortes no segundo semestre do ano.

O aumento do EBIT* em comparação ao mesmo período de 2005 resulta de volumes positivos e crescentes no EBIT* de todas as Divisões. O EBIT* cresceu para € 1.6 bilhões (resultado no mesmo período em 2005: € 1.5 bilhões), apesar da forte variação do dólar norte-americano, que no primeiro semestre de 2006 teve a taxa média de € 1 = US$ 1.08 (resultado no mesmo período em 2005: € 1 = US$ 1.01), dos custos da EADS Sogerma Services, dos custos adicionais relativos à revisão no cronograma de entregas do A380 e do aumento nas despesas de Pesquisa e Desenvolvimento. A margem EBIT* totalizou 8,6% no primeiro semestre de 2006. Os investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento totalizaram € 1,139 milhões (resultado no mesmo período em 2005: € 950 milhões). Este aumento deveu-se principalmente aos custos de desenvolvimento no programa A350. O aumento de 5% no lucro líquido da EADS para € 1,043 milhões (resultado no mesmo período em 2005: € 992 milhões), ou € 1.31 por ação (resultado no mesmo período em 2005: € 1.25), reflete o EBIT* do Grupo parcialmente afetado por custos financeiros.

O fluxo de caixa líquido, incluindo o financiamento a clientes, ficou em € 319 milhões (resultado no mesmo período em 2005: € 1,581 milhões). A redução comparada ao mesmo período de 2005 deve-se principalmente à diminuição na contribuição de pagamentos pré-entrega e foi parcialmente afetada por um efeito positivo no financiamento a clientes. Consequentemente, o fluxo de caixa líquido antes do financiamento a clientes totalizou € -216 milhões (resultado no mesmo período em 2005: € 1,477 milhões). Ao final de junho de 2006, a posição de caixa estava em € 5.3 bilhões (no final de dezembro de 2005: € 5.5 bilhões).

Nos primeiros seis meses de 2006 o total de encomendas da EADS totalizava € 14.2 bilhões (resultado no mesmo período em 2005: € 25.4 bilhões). A Airbus recebeu menos pedidos comparado com o mesmo período de 2005, quando o fabricante de aeronaves teve um recorde histórico anual. Apesar disso as encomendas do Grupo foram beneficiadas com uma grande encomenda nas divisões Espaço e Eurocopter. As duas divisões atingiram resultados destacados graças a várias encomendas de satélites e o enorme crescimento no negócio de helicópteros leves.

No final de Junho as encomendas da EADS totalizavam € 234.5 bilhões (em dezembro de 2005: € 253.2 bilhões). As contribuições das atividades com aeronaves comerciais são baseadas em preços de tabela. As encomendas decresceram em comparação a dezembro de 2005, principalmente devido ao impacto de € 12 bilhões decorrente de uma taxa €/US$ menos favorável. As encomendas de defesa do Grupo ficaram em € 51.1 bilhões no dia 30 de junho de 2006 (em 31 de dezembro de 2005: € 52.4 bilhões).

Previsão 2006

Com base nas conquistas do primeiro semestre e nos negócios gerados na feira aeronáutica de Farnborough, a EADS espera uma forte atividade comercial no restante do ano de 2006. Este saudável mercado representa a base para a melhoria das expectativas da EADS em relação às entregas da Airbus, agora estabelecidas em 430 aeronaves em 2006, com um faturamento superior a € 37 bilhões para o ano, e isso confirma um crescimento adicional nos próximos anos.

Os lucros da EADS no primeiro semestre estão consistentes com um EBIT* anual de aproximadamente € 3.2 bilhões, e um lucro por ação de aproximadamente € 2.35 (considerando que a taxa do dólar dos EUA ao final do ano seja similar à de 2005) num patamar inferior às previsões iniciais da EADS. Esta previsão, incorporando muitas mudanças desde maio último, considera os efeitos financeiros do cronograma de entregas revisto para o A380 e assume custos para a venda parcial da EADS Sogerma Services.

Ao longo do ano, certos tópicos poderão afetar esta previsão. A EADS espera que em função do lançamento industrial da família de aeronaves A350 XWB o Grupo tenha que lidar com os custos e benefícios relacionados a contratos já firmados para o A350, o que poderá resultar em custos não previstos. Além disso, a revisão da EADS para o programa A380 no que se refere aos cronogramas de engenharia, desenvolvimento e montagem, incluindo possíveis conseqüências sobre outros programas, também poderá levar ao reconhecimento de despesas adicionais. Paralelamente, a administração da Airbus está empenhada em atacar os desafios representados pela desvalorização do dólar norte-americano e lançar as bases de uma estrutura sólida para desenvolvimento futuro, e já está se preparando para divulgar um programa de competitividade com esse objetivo. Finalmente, o resultado da reestruturação da EADS Sogerma Services, envolvendo garantias e pacotes sociais, ainda não terminou.

A EADS espera que o fluxo de caixa líquido antes do financiamento a clientes seja positivo para o exercício de 2006.

Sobre a EADS

A EADS é líder global nos setores aeroespacial, de defesa e serviços correlatos. Em 2005 a EADS registrou faturamento de € 34.2 bilhões e gerou cerca de 113 mil empregos diretos. O Grupo EADS inclui o fabricante de aviões Airbus, a Eurocopter – maior fabricante mundial de helicópteros -, e a joint-venture MBDA, líder internacional em sistemas de mísseis. A EADS é o parceiro majoritário no consórcio Eurofighter, principal contratante para o veículo lançador Ariane, o maior parceiro industrial do sistema europeu de navegação por satélite Galileo e desenvolve a aeronave de transporte militar A400M.

No Brasil, a EADS mantém investimentos há 28 anos, tendo iniciado sua presença por meio da Helibras; é acionista da Embraer e desenvolve parcerias de longo prazo com clientes como a TAM, as Forças Armadas, a Polícia Federal, a Agência Espacial Brasileira-INPE e as forças policiais estaduais.

Mais informações sobre esta sugestão de pauta:

Wagner GonzalezAssessor de Comunicação da EADS
Segmento Comunicação Integrada
Tel.: (11) 3039-5611
www.segmentocomunicacao.com.br
mailto: wagner@segmentocomunicacao.com.br

* EBIT

Lucros antes de juros, impostos e amortizações

Safe Harbour Statement:

Certain statements contained in this press release are not historical facts but rather are statements of future expectations and other forward-looking statements that are based on management’s beliefs. These statements reflect the EADS’ views and assumptions as of the date of the statements and involve known and unknown risk and uncertainties that could cause actual results, performance or events to differ materially from those expressed or implied in such statements.

When used in this press release, words such as “anticipate”, “believe”, “estimate”, “expect”, “may”, “intend”, “plan to” and “project” are intended to identify forward-looking statements.

This forward looking information is based upon a number of assumptions including without limitation: assumption regarding demand, current and future markets for EADS’ products and services, internal performance, customer financing, customer, supplier and subcontractor performance or contracts negotiations, favourable outcomes of certain pending sales campaigns.

Forward looking statements are subject to uncertainty and actual future results and trends may differ materially depending on variety of factors including without limitation: general economic and labour conditions, including in particular economic conditions in Europe, North America and Asia, legal, financial and governmental risk related to international transactions, the cyclical nature of some of EADS’ businesses, volatility of the market for certain products and services, product performance risks, collective bargaining labour disputes, factors that result in significant and prolonged disruption to air travel world wide, the outcome of political and legal processes, including uncertainty regarding government funding of certain programs, consolidation among competitors in the aerospace industry, the cost of developing, and the commercial success of new products, exchange rate and interest rate spread fluctuations between the Euro and the U.S. dollar and other currencies, legal proceeding and other economic, political and technological risk and uncertainties.

Additional information regarding these factors is contained in the Company’s “registration document” dated April 26, 2006.

H160’s third prototype gets its carbon design livery

en

Adieu GRACE-FO

en fr de es

Qatar Airways reconfirms and upsizes its order for 50 A321neo ACF

en fr de es
Back to top